Tela de Vincent Van Gogh


Delimitada, instável
apago o resto da tarde
que se enfiou sob o
meu lençol pranteado
e junto a mim se ensopou.

40 comentários:

nina rizzi disse...

lara, o resto da tarde 'inda me está colado. sim, ensopa.

grande escolha, o van gogh.

beijos.

Leonardo B. disse...

[na natureza tudo tem a tendência de se transformar e reivindicar a eternidade, quando é essa a sua vontade; todo o sopro da vida, permanece, não só enquanto dura, mas enquanto é recordado]

um imenso abraço, Lara

Leonardo B.

Eder Asa disse...

Não sei quem é melhor: Lara Amaral ou Van Gogh.

É pra se ler o dia todo!

Albuq disse...

Lara e Van Gogh: adorei!

Linda a tela, linda a poesia cheia de vida!

Geraldo de Barros disse...

bem intenso e de uma dimensão criativa muito bacana, Lara. gostei muito muito. beijos. G

José Carlos Brandão disse...

O vento verga as árvores,
o vento verga a tarde.

Os lençóis molhados
são nuvens de adeus.

Muito sensível o seu poema, Lara. A dor faz parte da nossa vida, para que a valorizemos.
Um beijo.

Léo Santos disse...

Lara! Tu dá o teu rabisquinho aqui, eu dou meu rabisquinho ali, outro lá e outro acolá e assim seguimos tocando a arte do escritor que se foi, pois, por mais insignificantes que sejam os nossos rabiscos, quero crêr que são necessários!

Um abraço!

tonhOliveira disse...




Laramaralgia!

:-(

Zélia Guardiano disse...

Ah, Lara querida, fossem assim todos os rabiscos ...
Lindo poema! Sensibilidade em grau mais alto!
Beijo

Assis Freitas disse...

pranteado de pratas e prantos, para pronto poema, perfeito

cheiro

Adriana Karnal disse...

Lara,
em prantos, o lençol.que coisa mais lindo...

Fabio Rocha disse...

Tempos difíceis vivemos...

Meu carinho!

Mirze Souza disse...

Mais que perfeito, Lara!

Linda a escolha de VanGogh para olhar e chorar.

O lençol, mesmo pranteado, não é bobo. Lençóis e travesseiros sabem nossos mais íntimos segredos.

Ficar perto de sua dona, seria mesmo o melhor lugar.

Um dia....sempre..os poetas se eternizam.

Beijos, querida!

Parabéns!

Mirze

Batom e poesias disse...

Lá se foi Saramago...

Prantear, derrete a dor da tarde apagada.

Lindo verso, amiga.
bjs
Ross

Lou Vilela disse...

Apagando a tarde em poesia - prelúdio perfeito para acordes notívagos. ;)

Beijos

Úrsula Avner disse...

Oi Lara,

belo poema lírico ilustrado por bela imagem... Que mais posso dizer ? Perfeito. Bj,

Úrsula

Ribeiro Pedreira disse...

chora a tarde dos olhos vermelhos que vincent amarelou.
é tempo de ensopar tecidos.

Renata de Aragão Lopes disse...

Tudo a ver com meu "Outono"!

Também lamento
a partida de Saramago...

Beijo,
doce de lira

reltih disse...

Lara, qué enigmático pensamiento.
besos

Eduardo Trindade disse...

Intrometido, hein, esse resto de tarde!?
Sabe que este teu poema tem jeito de pintura?
Abraços!

Livinha disse...

Recebes a noite sob as pratas da lua, embargada no teu pranto, em noite crua...

Profunda alma que entre poucas palavras exibe a sensibilidade tão bela e tão mansa...

Parabéns mocinha, gosto muito de tuas expressões.

Bjs

Juan Moravagine Carneiro disse...

A Lara sempre me fascina...

Sempre surpreende...

As vezes me pergunto de onde ela tinha tanta força poética...

abraço e agradecido pelas visitas ao Rembrandt

Nydia Bonetti disse...

um poema perfeito, lara, embora tão dolorido. um grande poema pequeno, daqueles tipo bala certeira - direto no peito. beijos.

Hercília Fernandes disse...

Lindo curto, Lara.

Profundo e belo poema, simultaneamente. A tela de Van Gogh contribui para expansão das paisagens tardias, aquelas que ardem intensamente...

Parabéns, amei!

Beijos,
H.F.

Marcello disse...

Larinha, estou perdido em sp mas nao perco seus versos.

Beijos

Wania disse...

Larinha

E assim, chegar e partir

São só dois lados
Da mesma viagem



Quantas tardes apagamos nos nossos lençois pranteados...
Lindos versos tristes!

Bj grande

Andrea de Godoy Neto disse...

Lara, que poema tão lindo, triste, delicado, verdadeiro em seu pranto...

um beijo

Gisela Rosa disse...

delicado sim esse poema Larissa


essas palavras devem repousar na folha para que ela se renove sempre em si....


um beijo e obrigada pelas palavras

ryan disse...

um dia o sol se põe
todos os dias.

belo poema

Samuel disse...

Lara,

Um dia de tarde, apagado, virá um belo poema.

Combinação perfeita: Lara e Van Gogh.

Beijis

Devir disse...

Uhm, que pintura maravilhosa, como é bom poder rever Van Gogh a mais de suas pinturas famosas. Então, para homenagear a partida de Saramago, ficou perfeito, meu tempo, minha tarde de domingo.
Seu poema é bacana, é como se daquela árvore solitária partissem em revoadas os pássaros; tomados ao vento, ou submissos ao toque de recolher de mais um dia, ou assustados aos espreguiçar-se de algum predador imenso, ou naqueles galhos seres noturnos também repousam, ou quem pode saber, a natureza total e de cada um é tão complexa em suas formas de luz e sombra. Ou, que horror, tem-se um caçador fugido do conforto de seu lar, talvez mesmo este bobo apertou o dedo do gatilho sem querer, ou foi mesmo por querer acertar... Realmente, do mundo tudo se pode esperar, mas sempre dos inesperados eternamente esperamos uma renovação ou condenação; talvez por isso que nunca procuramos e nem é gentileza para ninguém condenar os culpados.
Ahhhh, uhmmm, deixa eu fazer o almoço, estão servidas Marias Claras? E, voce, gatinha, pode me fazer uma salada, tem tomatinhas e alface americana na geladeira.
Beijos e abraços e apertos de mão ou mesmo só o quiasma do olhar.

Paulo Jorge Dumaresq disse...

A tarde é um mistério psicológico,
como os seus versos ensopados de lirismo e alta poesia.
Beijos, menina Federal.

Í.ta** disse...

lara,
que retrato maravilhoso!

triste,
mas belíssimo.

um sentimento.

grande beijo!

dade amorim disse...

Acho que para gente como Van Gogh e Saramago, vale aquela frase feliz, "um artista não morre, fica ecantado". Teu poema é uma homenagem linda e delicada.

Beijos.

[ rod ] ® disse...

No avanço do dias o choro apaga-se, mas não as lembranças dos seus ditos! bjs moça e boa homenagem!

nas entrelínguas disse...

Apagas o resto da tarde, sim, sei!Lembro bem que tua aurora é o luar!
Beijo moça =)

Patrícia Gonçalves disse...

lindo rabisco na tarde molhada...


beijo

Claire disse...

permeado de sentidos, plenamente sentidos.
amei

Sandrio cândido. disse...

lara, nina e van gogh uma trio perfeito para minha solidão.

Jorge dos Santos disse...

Gostei tanto desse poema, Lara. Algo que de mim se alimenta escondeu-se de esgueio em teus versos. bj. jorge