___dos fracassos...



Se Deus existisse...
Ele aceitaria preces.
E diria, aos homens, que o Mal
é Divino e não herege.
Se somos a Sua imagem e semelhança,
Ele falhou na Criação.
Fomos feitos para o fracasso:
Filhos da imPerfeição.

hercília fernandes




reverencio os mistérios
mas não os creio divinos

a dor e o sofrimento não são divinos
a humanidade feder e exalar horrores
a natureza gritar e transbordar
agonizar em febre e frio por causa do homem
também não

se deus fosse a natureza
não se chamaria flor a flor
nem bicho o bicho
nem mar o mar
nem homem o homem
há mistérios multitudinários
mas ninguém escolheu
comer o pão que o diabo amassou

ser miserável ter fome e desprezo
lutar em uma guerra inaceitável e desigual
morrer aos milhões por bala perdida ou canhão
à míngua ou solidão?

não me fale em livre arbítrio
a escolha não é essa
quem escolheu sofrer até a exaustão?

reverencio os mistérios
mas não me fale em deus

adriana godoy


*Aquarela: Rafael Godoy, filho da poetisa.
Disponível em seu espaço poético.

15 comentários:

Talita Prates disse...

minha reverência às duas poetisas queridas e espetaculares.

adorei tudo...

Que o acaso nos proteja, amém.

Bjo,

Talita.

Adriana Godoy disse...

Adorei reler esse diálogo....valeu, HF! Beijo

Adriana Karnal disse...

Não tinha lido esse diálogo entre vocês ainda...é filosófico-poético-ateu.Gostei demais, muito do teu momento Hercília...bj

Úrsula Avner disse...

Oi Hercília,

belo post que destaca de forma poética, aspectos sócio-culturais, religiosos e filosóficos, num diálogo harmonioso e impactante entre os textos. A tela do Rafael abrilhantou a postagem... Parabéns para você e para a Adriana. Bj,

Úrsula

Lara Amaral disse...

As grandes moças, incríveis!

Beijos nas duas.

Ivan Bueno disse...

Adriana e Hercília,
Gostei muito destes questionamentos poéticos heréticos. Se forem ao meu blog (Empirismo Vernacular) verão que postei um aforismo sobre "deus" e, pelos comentários, dá pra se ver que deu o que falar. A ideia era mesmo atiçar, fazer pensar.
Não duvido que haja mais mistérios entre o céu e a terra do que pode saber nossa vã filosofia, mas não consigo personificar, crer numa personificação. Deus é necessidade, é criação humana. Crença não é escolha, é capacidade diante de uma necessidade extrema.
Quem pensa muito (como eu), e consequentemente questiona muito (agnóstico) sempre haverá de questionar as ditas onipotência, onipresença e oniciência, assim como o tal do "livre arbítrio" dado (segundo o mito bíblico) a seres sem a menor capacidade de se sustentarem.
Parabéns pelo diálogo poético e pelos questionamentos, com todo o respeito às crenças e religiões.
Beijo a vocês.

Ivan Bueno
blob: Empirismo Vernacular
www.eng-ivanbueno.blogspot.com

Albuq disse...

Que pensamento forte!
Permear entre o divino e o humano não é fácil, mexe com muito mais que opiniões, mexe com o mistério, com a fé invisível. Parabéns! bjs

Lou Vilela disse...

Belo e instigante diálogo, minhas caras.

Beijos

Mirze Souza disse...

Belo diálogo entre duas grandes poetizas.

Que Deus as abençõe, com ou sem preces e heresias.

Beijos e parabéns!

Mirze

Renata de Aragão Lopes disse...

Diálogo fantástico
entre dois grandes poemas!

E antes de me virem
propriamente como uma descrença,
parecem-me conter apenas o desabafo
de uma revoltada incompreensão.

Por que, de fato,
tamanho sofrimento
à nossa volta?...

Beijo às duas,
doce de lira

Claire disse...

ADOREI ESSE BLOG!

Wania disse...

Gurias!

Sempre é bom reler os que vocês escrevem! Diálogo de peso!


Bjão nas duas!

Juan Moravagine Carneiro disse...

Realmente grades e belas...

abraços

beijos e agradecido pelas visitas ao Rembrandt

nas entrelínguas disse...

Eu NÃO cREIo
Eu cRIO
MEUs RECrEIOs.

Hercília Fernandes disse...

Caríssimos,

muito agradeço-lhes as gentis visitas e expressões.

Um forte abraço em todos e todas,
H.F.