Suspensa no ar

Tela de Edvard Munch


Disseram-me para tentar o riso, a cor, o som...
Então
embrenhei-me num mundo de roteiros sem fim.

Agora haja quem:
auscutará cada volume que criei
arquitetará os prédios sem topo que escalo
e verá o que ainda escondo entre feno e pluma

para achar o que perdi e emendar no caminho
que resolveu empac(ot)ar meus sonhos.

LARAMARAL

27 comentários:

Geraldo de Barros disse...

Lara, vc a cada novo poema me surpreende =)

grande beijo!

tonhOliveira disse...



→ ┘aЯaMaRa└ ←

susPENSAmente!

Quando que um poeta está pronto?

Muito bom!

Beij♥!

Lou Vilela disse...

De uma forma ou de outra elas, as palavras, surgem, avassaladoras - às vezes sob névoa...

Lindo, Lara!

Beijos

Marcello disse...

Oi amiga.

Seus poemas são cheios de vibrações angelicais.

Beijos....

Albuq disse...

Fantástico!
Lindo poema e essa parte dos sonhos, de achar, caminhos...
"para achar o que perdi e emendar no caminho
que resolveu empac(ot)ar meus sonhos"

Adorei!
bjs e ótimo fds!

angela disse...

Lindo poema e tomara que alguem lhe ajude a desempacotar alguns sonhos, não todos, assim pode seguir poeta.
beijo

Sr do Vale disse...

Nossa Lara, que poema lindo, de gente grande.

Wania disse...

Larinha querida

Sempre haverão as pontes, que ligarão os caminhos e colocarão finais nos nossos roteiros!

Esta tua poesia, flutua!
Voo com ela...

Bjo carinhoso pra ti

Talita Prates disse...

Primoroso, Lara.

Repito o que Geraldo registrou:
Você, a cada novo poema, me surpreende.

Um bjo, querida.
E paz.

Talita
História da minha alma.

Adriana Karnal disse...

"os prédios sem topo que escalo"...nossa Lara, isso está lindo. q bom te ver no sábado aqui.

caverna disse...

Lindo poema Larinha. Direto e ao mesmo tempo profundo. Adorei o empac(ot)ar. Bela imagem poética.

Um beijão meu amor!

Leonardo B. disse...

[o mundo revolve-se e volta a colocar-se no sitio: onde o sitio lugar onde me sinto, no horizonte varandim ou na varandas do horizonte? Há um meio cá, meu lá, que se esconde]

um dez cem meus abraços, Lara

Leonardo B.

Marcos Satoru Kawanami disse...

"os prédios sem topo que escalo"

seria isso o mesmo que dizer: estou subindo pelas paredes?


=D
Marcos

Mirse Maria disse...

Lara!

Lindo poema!

Escalarei os prédios e auscultarei os sons. Deixarei apenas seus sonhos livres como sua alma!

Beijos Poetisa!

Mirse

JORDAS disse...

Passei por aqui.
Gostei e voltarei mais vezes

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

...empac[ot]ar... os sonhos... gostei! :)

Nydia Bonetti disse...

Uma beleza teus roteiros poéticos, Lara. A tua poesia já encontrou o caminho. Agora é só voar... Beijo.

Reflexo d Alma disse...

Lindos versos!
Bjins entre sonhos e delírios

Hercília Fernandes disse...

Concordo plenamente com as palavras da Nydia, Lara.

Sua poesia evidencia um notório amadurecimento literário, seja de imagística ou linguagem.

Mais um belo poema você nos traz. Nos leva a voos e inquietações.

Parabéns pelo conjunto de sua postagem. A tela também é linda!

Beijos,
H.F.

Assis Freitas disse...

e quem disse que se precisa de roteiro para viver, desorientar-se com as palavras e os versos é um bom caminho. abraço.

Renata de Aragão Lopes disse...

Larinha,

li e reli seu poema
algumas vezes.

LINDO!

Que maneira mais sutil
de retratar a troca
que há entre
aquele que escreve
e quem o lê...

O trabalho do roteirista
parece propositadamente
incompleto:
exatamente
pra que o leitor
o leve ao caminho
ideal...

Se esta era a sua intenção,
não sei,
mas foi assim
que recebi seus versos! : )

Um beijo, amiga!

Batom e poesias disse...

O mundo de roteiros sem fim é o lugar onde a estrada da poesia nos leva.

Você não anda por ela, Larinha, flutua como um anjo.

Adorei.
bjs
Ross

Úrsula Avner disse...

Oi Lara,

belíssimo , intenso e tocante poema com lindas imagens poéticas. Apalusos ! Bj,

Úrsula

Lara Amaral disse...

Obrigada, amigos! Fiquei muito feliz com a presença e os comentários de vocês.

Marcos, te respondendo, não era essa a minha intenção no poema. Mas sabe, adoro as visões novas que os leitores trazem para mim. Se vc viu isso, certamente o eu-lírico passa por isso também, por que não? A Renata, por exemplo, teve uma visão interessante e bonita, que eu não havia pensado.

Por isso, agradeço de coração a participação de vocês. Sempre me trazem mundos novos, colocando pedaços de vocês aqui.

Beijos em todos.

Ótima semana! =)

Adriana Godoy disse...

Lara, que poema mais porreta! Belo, supreendente, enfim, um bom poema. Parabéns. beijo.

Paulo Rogério disse...

A intuição, no poeta, é a sua melhor verdade. Pra que ganhar o mundo se procuramos apenas o que está dentro de nós? Lindo poema!

Felipe da Costa Marques disse...

Belo e leve, poema sensacional

congratulações!