* Tear *

Tela : Maurício Barbosa

na rua cansada
mulheres salivam
conversa (a)fiada
no tear
da ilusão
pra que tanta
conversa (des)fiada ?
Fio de navalha
a penetrar o coração
a alma indigesta

porém
sem conversa
não há festa
nem motivação
palavras viram
novelos, atam nós
calejam a língua

sem conversa
a alma mingua
feito a lua
mulher vaidosa
que também adora
uma prosa
com quem a chama de sua

Úrsula Avner

5 comentários:

Wania disse...

Úrsula


Lindos versos (a)fiados aqui!
Almas crescentes para iluminar as noites...


Bjs, minha amiga querida

Sam disse...

e vão se teando palavras
costurando conversas
na ponta afiada
da ponta da língua.
e vão se espreitando na linha
às vezes sozinhas
cantarolando bainhas
descosturadas na saliva.

Que sofisticação bela, Úrsula.
Meu carinho,
Samara Bassi

Lara Amaral disse...

Mulheres e suas conversas cheias de histórias, repletas de tudo um pouco.

A imagem encaixou muito bem também!

Beijo.

Adriana Godoy disse...

Tecer a vida...tecer a alma e os amores. Beleza!

leila saads disse...

Sem conversa parece não haver eu.