Discurso da carne

.

entre as pernas, o ópio
(insana paixão);
no corpo, lilases.

na cama, o silêncio:
ressaca, um molho
de chaves.

a trama arrebenta
[união sem placenta]
discurso da carne.




“Homicídios de mulheres fazem parte da realidade e do imaginário brasileiro há séculos, como mostra variada literatura [...]. Depois de trinta anos de feminismo, que impôs à sociedade o "quem ama não mata" como repulsa ao assassinato justificado pelo "matar por amor" e de consistentes mudanças na posição socioeconômica e nos valores relativos à relação homem x mulher, como explicar que crimes de gênero continuem a ocorrer?” (Blay, Eva Alterman. MULHER, MULHERES: Violência contra a mulher e políticas públicas.  SciELO  Brazil. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142003000300006. Acesso em 31/01/11).

.

11 comentários:

Lou Vilela disse...

Ainda atrapalhada com as horas e tentando pelo menos acompanhar, via 'reader', as atualizações dos blogs que sigo. ;)

Beijos a todos que passarem aqui!
Lou

Albuq disse...

Hummm intensidade!

Lara Amaral disse...

A força de suas palavras! Sempre excelente, Lou!

Beijo.

Eduarda disse...

Lou,

Um grito contra o drama do matar por amor, ou exercer sobre a mulher o estatuto de macho.

soberbo.

bj

Eder Asa disse...

"a trama arrebenta
[união sem placenta]"

Forte e indizivelmente bom!

carmen silvia presotto disse...

Lou, quando deixamos a placenta, deixamos também um mundo desabitado, ser mãe é para sempre, é função eterna... bom te ler, bom visitar este blog onde várias Marias têm voz, sem véus, têm vida na ponta dos dedos...

Parabéns a todos aqui.

Beijos.

Carmen Silvia Presotto

R.B.Côvo disse...

Encontrei o blog por mera casualidade, mas gostei de o ter encontrado. Um abraço.

Ana F. disse...

"no corpo, lilases."

fortíssima imagem. nada de flores.

o que a mulher precisa é emancipar-se emocional e financeiramente, de uma vez por todas. chega de aceitar "amores" brutos.

Rosangela disse...

Lou, sua poesia é extremamente dotada de sensibilidade. A mensagem é tocante!
Bjs poéticos!

Maria Marluce disse...

Brincadeira deliciosa. Rende um poema com gostinho de ler mais. Parabéns pela imagem. Uma rosa de fumaça, que forma um galho. Sempre acho bacana as imagens, elas concretizam o que está posto em palavras. LINDO!!!!!!

Hercília Fernandes disse...

É preciso desmistificar discursos que legitimam relações de poder, Lou.

Seu poema nos faz acordar!

Muito gostei do post, da soma de conteúdos e poéticas várias.

Beijo terno,
H.F.