Há...

Há...

...aqueles que escrevem
arrematando a alma
fio a fio

que transformam buracos negros
em vertigens para se entrar e sair
a bel prazer

os que traduzem, recortam
fazem colagens dadaístas
sopas de letrinhas

que me silenciam pela perfeição
ou me desandam a falar
pela compatibilidade
de nossas vidas desgarradas.

Morro e nasço todo dia
em frases de tantos
[sinto alguns lado a lado

eu mesma, não sei o que faço
além de cuspir e alinhavar
fiapos.


38 comentários:

CARLA STOPA disse...

Quantas vezes me senti exatamente assim nesse nosso universo de palavras...Adorei.Meu abraço.

Aline disse...

Lara,
Aquele outro comentário tinha saido todo errado dada minha empolgação inicial...rsrsrs..
Mas recortei organizei e aqui esta:
Tanta força nessa "alinhavação' que mais uma vez fiquei muda de espanto e admiração! Ler tua poesia nos inspira a falar do que cala!
Seus versos sempre me encantam!
Belíssimo poema...
E aproveito para passear por esse espaço, novo para mim e que já sigo e persigo, e tão belo em poesias!
Beijos!
Aline Morais Farias
Periódico Subversivo
http://alinemoraisfarias.blogspot.com/

Sam disse...

Há ainda, aqueles que fazem ornar os pensamentos
em varais onde os detalhes são lembranças secando ao sol.

São guardadas assim, como eternas fotografias em fios de linho, desalinhando os fios tecidos no ontem.

são raras belezas, recortando estradas entre vírgulas e folhas de papel.

Muito belo, Lara.

Abraços, flores e estrelas...

Ana F. disse...

é sempre com prazer que visito suas tramas... finas.

bj

JasonJr. disse...

"Há" algo de Belissimo ai! :D

Luiza Maciel Nogueira disse...

há lindas mulheres que respiram poesia em cada relato de solidão, literatura, arte...nesse espaço há!

Beijos

Mirze Souza disse...

Larinha!

Quanto talento em sua observação!

É verdade, mas bem que você podia me ensinar a alinhavar fiapos.

LINDO, POETISA-SONHO!

Beijos

Mirze

Celso Mendes disse...

E há quem consegue, como você, captar todo esse universo e assimilá-lo para retransmiti-lo, alinhavado e digerido (ou não).

Beijo.

Domingos Barroso disse...

Alma Sensível Que Levita,

sabe aquele tipo de poema
que a gente ao lê-lo
além do silêncio
nos vem uma onda
de magia?

Esse teu.

Beijo carinhoso.

(esplêndido!)

Daniela Delias disse...

Que bonito, Larinha...faz pensar nessa nossa rede de amigos unidos pelo fio da poesia. Bjos!

Carmen Silvia disse...

Há os teceres diários, há os fiapos de dia, há os momentos completos e há os poemas Poesia... e há Lara, esta poeta que nos atira os fios do alinhavo e versa conosco.

Há o que há e nesse há está a Poesia.

Beijos e bom estar aqui te lendo, Lara.

Carmen.

Francy´s Oliva disse...

Há...fico feliz por haver pessoas assim, que escrevem, traduzem, silencia, arranca, cospi e tudo mais. Sabe porque? Assim tenho a honra de ler cada palavra.
bjs.

Eduarda disse...

Há alguém ue sente as palavras entrecruzadas de nada, alinhadas de tudo.

bj

Márcio Ahimsa disse...

não sei o que faço,
estreito o meu caminho
e justifico o passo
e equilíbrio em desalinho...
é igual espelho -
onde me espera - que há?
na capital, a rua tem um fim
e toda descoposta
vai fazendo estrias em mim,
meus pés em desenlaço,
cadarço e o carmesim
do seu lábio causando
embaraço onde não sei esconder.
assim, disfarço...

Úrsula Avner disse...

Oi Larinha,

lindo poema que fala do próprio poema, da mesclagem de ideias e palavras, de sons, gostos, cheiros e tudo o mais que guarnece a poesia e nos faz cúmplices uns dos outros quando escrevemos... Amei ! Bj com saudades.

Sandrio cândido. disse...

Sim lara, talvez por isto os poetas so existem no tempo da poesia e do poema. O humano fica mas o poeta reside nos poemas, e quando estes acabam, o poeta torna se esquecido.
beijos

Batom e poesias disse...

Lara
Só escrevo, para que saiba que vim.

Tudo foi dito, afinal!
Apenas silencio e reverencio-lhe, Poeta.

bjs
Rossana

dade amorim disse...

Verdade do início ao fim, teu poema reproduz sentimentos recorrentes, quando se trata de ler outros poetas. E quanto a tecer fiapos, vixe! é assim mesmo que me sinto.

Beijo beijo

Assis Freitas disse...

corroboro as palavras de Dade em relação ao teu poema, quanto a mim vivo de tecer fios e armar redes,

beijo

Marcantonio disse...

Perfeito, Lara! E não há como não repetir o comentário da Dade. E, veja, me reconheço aí nos últimos versos, a cuspir palavras, tentando alinhavar alguns fiapos de sentido!

Beijo.

Wania disse...

Lindo, Larinha!

A poesia é uma intrincada trama... enriquece-nos estas leituras de viés!

Bjs

José Carlos Brandão disse...

Viver é perigoso, disse G. Rosa. Eu completo: e complicado. Ou: como nós complicamos a via! Talvez por causa das palavras, que deveriam unir, deveriam dizer, e confundem, afastam, e acabamos sem saber o que dizemos, nem para nós mesmos.

Mas continuamos, insiste Drummond. A vida é bela e continuamos.

Beijo, Lara.

Albuq disse...

Larinha, que lindo!
E ainda há pessoas fantásticas que fazem de meras letras lindas poesias, você! bjss

Zélia Guardiano disse...

Versos lindos, querida Larinha!
Que observações interessantes acerca dos escritos das mais variadas formas, dos mais variados estilos, dos mais variados sentimentos, vocabulários , das mais variadas almas!
Quanto aos seus, são simplesmente divinos...
Grande abraço e beijinhos.

Felipe Pauluk disse...

Quando escrevemos nos afirmamos,
Nosso corpo é palavra,
É poesia...
Lindo poema

Nadine Granad disse...

Lindo!

Quantas vezes me pego nas entre-linhas alheia!

Obrigada! (sempre agradeço por existir, rs)


Beijos =)

Í.ta** disse...

há os que leem e dão sentido próprio aos versos.

achei excelente, lara!

bjs

Nilson Barcelli disse...

Mas não é nada fácil "cuspir e alinhavar fiapos" tão bem como tu o fazes.
Este teu poema é excelente. Gostei mesmo muito, querida amiga.
Beijos.

tonhOliveira disse...



De fiapo em fiapo,
fias...
Eis uma colcha poética!

Ahhh!!! Há MUITO!

:)

Suzana Martins disse...

O que vc faz é exatamente isso: silenciar comentários, provocar palavras, traduzir emoções, encantar as letras e dançar entre os versos.

Ah... as suas belas palavras!!!

Beijos querida

Jorge Pimenta disse...

a todos esses [e a ti em especial] um forte abraço!

Lídia Borges disse...

Há no olhar do poeta janelas por existir que se abrem sobre a essência, a [i]materialidade de todas as coisas.

Reflexivo qb.

Um beijo

Pedro Valadares disse...

Eu renasço muito em muitos textos e mato algumas convicções em outros!

A poesia é linda leve e pesada, morte e vida! Muito bom!

Parabéns!

Paulo disse...

Externar sentimentos e expô-los a frente de quem os quer ler é um ato de coragem.
Há aqueles que tem coragem ao escrever.

Beijo, Lara

Lisa Alves disse...

Uau! Tenho essa mesma sensação de estar, de conectar no "sentimento do mundo" que vive nas entranhas de cada um... O ato de escrever liberta criaturas invasoras.

Hercília Fernandes disse...

Maravilhoso poema, Lara.
Há grande riqueza de conteúdos: linguagem, contextos, valores.

Parabéns por tão bela escrita, nela vejo-me e questiono-me:

"o que faço
além de cuspir e alinhavar
fiapos".

Grande texto!

Abraço imenso,
H.F.

Dilberto L. Rosa disse...

Fazes bem mais que alinhavar fiapos, minha cara Lara: costuras versos sabiamente e com precisão! Abraço!

Hanny Writter disse...

Alinhavou parte esquecida do meu coração, pregando um botão e mais uma dúzia de sentimentos descolados (: