Cozinhando poemas


Estou na cozinha
Entre batatas e cebolas.
Brinco com as palavras...
potato,poeta
cebola-ce-só
Estou só.
Choro.

25 comentários:

Angélica Lins disse...

Brincadeira de cozinhar - Poesia.

Adorável!

nydia bonetti disse...

Temos a poesia... Há quem chore sem ela. :) beijos.

Wania disse...

Adriana

Belííííssima poesia...me lembrou Adélia Prado!
Pude sentir o cheirinho delicioso dos teus poemas e, com certeza, o choro soube temperar bem as tuas palavras, apesar deste condimento arder na Alma.


Amei! Lindo demais!!!!!!
Bj grande, minha amiga querida!

Mirze Souza disse...

Lindo, Adriana!

A arte de cozinhar também é poesia. Corte a cebola embaixo da água fria que ce-ssa o choro.

Como poetisas como você sofrem!

Beijos, querida!

Mirze

Mirze Souza disse...

Lindo, Adriana!

A arte de cozinhar também é poesia. Corte a cebola embaixo da água fria que ce-ssa o choro.

Como poetisas como você sofrem!

Beijos, querida!

Mirze

Adriana Karnal disse...

Angélica,
entre a poesiae a cozinha há uma pitada de pimenta a mais.obrigada pelo carinho.

Nydia,
eu choro com cebolas e dependendo das camadas do poema...bj

Wania,
Nossa! fico orgulhosíssima de vc dizer q lembra Adélia :) obrigadíssimo, querida.adorei teu comentário.


Mirze,
é mesmo, a água é um banho de água fria no choro de cebolas :)
obrigada, amiga.

Assis Freitas disse...

uma fervura só,


beijo

Lara Amaral disse...

Quando se quer chorar, encontra-se motivo em tudo.

Gostei Dri, simples e forte!

Beijo.

Erica disse...

Simples e tocante... Aliás, como deveria ser a vida...

Adriana Godoy disse...

Que delícia, Karnal. Gostei do tempero poético. Bj

mfc disse...

Poema com sabores...

Úrsula Avner disse...

Oi Adriana,

inteligente construção poética num delicado tear (cozinhar) de versos... Bj e grata por seu carinho lá no Sempre Poesia. Bj.

Zélia Guardiano disse...

Show, Adriana!
A poesia anda por toda parte.
Muita vez a encontramos no lugar mais improvável.
A cozinha é um prato cheio... Grande abraço, querida!

Talita Prates disse...

palavra bem temperada!

adorei, Adriana!

um beijo,

Talita

Lis disse...

É a cebola Adriana que nos faz chorar!
Bom deliciar-me com poemas cozidinhos assim , com ternura e algumas lágrimas.
beijinhos

Albuq disse...

Poesia cozinhando, belo. Também choro!

Hercília Fernandes disse...

Que delícia cozinhar poemas, Dri?!
Adorei o humor contido nos versos, das cebolas que provocam o choro...

Muito bom poema!

Beijos meus,
H.F.

Batom e poesias disse...

Comidinha de palavras é sempre bom, mesmo com um temperinho triste.

bjs

Rossana

Graça Pires disse...

Brincando com as palavras e com a arte de cozinhar. A cebolka faz chorar...
Beijos.

Graça Pires disse...

Quis dizer cebola, claro.

Paulo disse...

Palvaras para os poetas expremirem seus sentimentos existem de todas as formas, até desta.

Gostei

Francy´s Oliva disse...

Bela construção,mas, concordo com a Nydia tem quem chore sem a poesia.
bjs, tenha um excelente final de semana

[ rod ] ® disse...

E entre fumo fumaça eis que o som do choro cebola-ce-só!

Bjs moça.

Menina no Sotão disse...

Lembrou-me bem o ritmo de Adélia que preparava o peixe que "seu homem" havia trazido da pescaria. rs
As feministas deliram e eu apenas fico com o sorriso pelos versos dela e os seus. bacio

Formas do Dizer disse...

Os cozinheiros e os poetas possuem a mesma alma, transformam, criam e emocionam. Lindo poema.