Orgia

.

Temptation - Franz von Stuck

Temptation - Franz von Stuck
          Finalmente, as férias tão esperadas. Poderia se desvencilhar de tudo e de todos para dedicar-se ao prazer que tanto aguardara. Seu mimetismo a modelara de acordo com os anos de existência numa sociedade maniqueísta. Sua natureza forjada sufocou por muito tempo o desejo latente. Teria agora a oportunidade de decifrar os prazeres sem os escrúpulos morais que a impediam anteriormente de viajar, afinal, tinha o direito de investir em algo que fosse além da obrigação.

          "Todo impulso que nos empenhamos em sufocar incuba em nosso espírito e nos envenena. Peque o corpo uma vez, e estará livre do pecado, porque a ação tem um dom purificador. [...] A única maneira de se livrar de uma tentação é ceder-lhe.” (1)

          Já no avião, repassou o seu plano passo a passo... nada poderia sair errado! O lugar escolhido para exercer a sua liberdade era perfeito: a “cidade luz”. 

          Chegando  a Paris, instalou-se confortavelmente em um hotel. Após um relaxante banho acompanhado por uma taça de “champagne” vestiu-se da cor do desejo. Determinada, seguiu para o encontro marcado cuidadosamente no mês anterior - não antes de confirmar por telefone a sua presença. 

          Meia hora após a ligação, encontrou-se com alguns homens e mulheres que compartilhavam a mesma fantasia. Apresentações superficiais... Joana percebeu que todos usavam os sentidos para perscrutar as mensagens subliminares. Apesar da diversidade das gentes, tinham algo em comum: cederam ao apelo lascivo da emoção, transgrediram a barreira cultural. 

          Em um instante que mais parecia eterno, seguiram lado a lado, emudecidos, extasiados pelo ritual iminente no qual seus recônditos desejos seriam realizados. Era-lhes impossível disfarçar o odor exalado pelos hormônios que lhes percorriam as entranhas.

          Chegaram ao destino em transe: atravessaram corredores, andares; as mentes tentavam assimilar o que se passava. Os corpos mal respondiam aos comandos. As pernas trêmulas não mais resistiram e ali, no primeiro andar da ala Denon, sala 13, deleitaram-se. Em êxtase, vivenciaram aquele momento idílico: corpos em sintonia e mentes embevecidas, observando e sendo observados pelos olhos inanimados que acompanhavam o sorriso enigmático de “La Joconde”. O que estaria ela a pensar quando foi imortalizada pelo gênio renascentista?! Prosseguiram com a visita por outras alas do Louvre. No peito, além do descompasso, a certeza de que aquele momento ficaria eternizado em suas almas!



* Escrito originalmente em 06/04/08.
1 Wilde, Oscar. O Retrato de Dorian Gray. São Paulo: Martin Claret Ltda., 2007. Trad. Pietro Nassetti. p. 30.

.

7 comentários:

Wania disse...

Lou

Os prazeres que a cultura proporciona são indescritíveis...
Lindo festim!



Bj, amiga

fátima queiroz disse...

lindo, xuxu

bjs


Adriana Karnal disse...

Lou,
que interessante... és contista também? maravilhosa!!!

Lou Vilela disse...

Transbordam, Wania. ;)

Beijos, minha cara

Lou Vilela disse...

"Xuxuzinha",

Bom 'tatu' aqui. rsrs

Bjs

Lou Vilela disse...

Dri Karnal,

Exercito este gênero no "histórias (re)inventadas". Coisa de aprendiz e curiosa. ;)

Beijos, querida!

Graça Pires disse...

A inspiração existe. Basta ler o poema...
Um beijo.