Vaporizada

.
.
Olhos com ranhuras vermelhas
[presente da madrugada.
Ao som de Paco
fecho minhas órbitas oculares
e deixo-as arder no firmamento
[veias irregulares que pulsam
ao redor de minha visão bicolor.

Não é só sede, agonia... é fricção
esfrego-me em suas lembranças
e deixo o resto para o café da manhã
que nem tomo
mas espero você por detrás do vapor
corizando intrigada:
seria eu só mais uma menina
dos seus olhos baços?


39 comentários:

Pâmela Grassi disse...

Lara,

Não é só sede, é agonia de ser vaporizada, de se fragmentar no ar e ser apena lembrança,

adorei,

Beijos

Adriana Karnal disse...

Bonita a composição dos sons "baço" e "Paco"...senti a músicalidade do poema.

Valéria Sorohan disse...

Nessas linhas, a vontade de ser a outra parte do poema.

BeijooO'

Lalo Arias disse...

Ah, Larinha... essas madrugadas que nos pregam peças e nos resfriam a alma... Pelo menos temos a música das suas palavras e do violão do Paco.
Beijo de VickVapoRub.

Domingos Barroso disse...

Certamente uma fada:
divindade espalhada
em versos.

Carinhoso beijo,
Senhora.

leila saads disse...

Lindo, Lara, lindo!
Gostei das imagens.
Da loucura solitária dos sentidos.

Beijos!

Assis Freitas disse...

vapores, evaporam-se na pele, viram fumaça nos olhos que dançam o bailado da existencia em vertigens,


beijo

Noslen ed azuos disse...

Toca-me a viola vôos em cordas metálicas em dor de te esperar sabendo que não vais voltar.

Lara te curto Pac(o)as rsrs

Bjs
☺ns

Mirze Souza disse...

Excelente, Lara!


Esperar por trás do vapor! Que bela imagem!

Beijos

Mirze

Zélia Guardiano disse...

Bravo, Lara!
Bravo!
Versos lindos demais!!!
Vou ler outra vez e mais outras, muitas...
Grande abraço, minha linda!

Lou Albergaria disse...

Pena que a lembrança nem sempre é tão fugaz...

Lindos versos!

Gosto muito do seu estilo!

Beijo!

Daniela Delias disse...

Depois que li, cerrei os olhos e deixei que ardessem no firmamento. Menina que escreve lindo!

Wania disse...

Larinha

Alguns momentos deixam apenas lembranças embaçadas... dúvidas vaporizadas sobre uma triste realidade! Sobra-nos o violão... para recomeçar!


Linda poesia,linda música!
Bj grande.

Márcio Vandré disse...

O vapor é o sonho. O caminhar sereno para o portal extraterreno. Nuvens de algodão...

Lily disse...

Querida,

A segunda parte do poema... simplesmente demais! Lindo, criativo ao extremo... esfrego o olho, esfrego você em mim.

Muito bom!

Beijos!

Eder Asa disse...

Vapor que embaça os ó(s)culos.

Lindo Lara!

Beijos vaporizados!

Úrsula Avner disse...

Oi Lara,

mais um bonito e bem versejado poema. Bj.

Batom e poesias disse...

Ai que poeta mais porreta!
Não há como não se derreter.

Tanto a dizer...

ADORO!!!
bj

Ross

Lua Nova disse...

Me pergunto quantos anos tem tua alma...
Mas é bobagem... definitivamente, ela já conhece a eternidade...

Fragmentar-se no ar... perder a consciência do ser que somos... tanto aprendizado para sê-lo...

Mas o que mais gostei foi: "esfrego-me em suas lembranças"... que força tem isso! Admirável!
Beijokas.

Mário Lopes disse...

A dúvida ressoa ainda mais na madrugada silenciosa, no "coração malferido por cinco espadas" de
Paco, de Lúcia, de Castro Marim.
Como nuvem ao vento entardecerá os seus olhos de duas cores na manhã clara com cheiro a jasmim.
No primeiro sorriso que ele trouxer, ela procurará as estrelas da noite anterior, nas meninas dos olhos dele.

Lindíssima a tua poesia, Lara! Sempre a pulsar de paixão e angústia, de entrega e dúvida, assim os teus poemas desnudam os momentos da vida por que todos passamos.
Escreves bem como nunca!

Beijo terno nesse coração sensível.

tonhOliveira disse...



Um belo PACOte!

Lara e ELE...

:)

Carol Morais disse...

O mais interessante de tudo é que,a gora, te vendo mais, mesmo que por fotos, eu sei que tua visão realmente é bicolor. Isso é injusto, você vê um mundo colorido que talvez eu não consiga ver. Uma parte do teu mundo é clara e a outra é escura.

Lindo.

Um beijo

Fabio Rocha disse...

és mais

Ribeiro Pedreira disse...

os olhos da menina dos olhos baços agonizam, rubros, as incertezas da pele em que se deita.
bjs!

Rafael disse...

Belo, Lara, como sempre!
Bjs

Eduardo Trindade disse...

Esfrego-me eu teus versos. Às vezes arde, mas caem bem como uma guitarra nas mãos de Paco.
Muito bom.
Abraços!

Hercília Fernandes disse...

"esfrego-me em suas lembranças e deixo o resto para o café da manhã"...

Lindo poema, Lara. E esta passagem me prendeu.

Um beijo, poetisa!
H.F.

Sr do Vale disse...

não sei se capto o momento, ou sinto ao longe o dedilhar encantado da música.
não sei se tudo é imaginação em doses de abstinência, ou o revelar sem distâncias, sejam elas quais forem.
não sei se o café é apenas a esperança de um novo amanhecer, ou se tudo se apagara ao acordar.

Andrea de Godoy Neto disse...

Belíssimo, Lara! Teus versos tantas vezes me deixam nua diante de mim...

adorei!
beijos muitos

José Carlos Brandão disse...

Lara, um dia seremos etéreos como anjos.
Um beijo.

Lou Vilela disse...

Belas e sensíveis imagens, Larinha!

Beijos

Luiza Maciel Nogueira disse...

com certeza não Lara, mereces mais, muito mais..e não te faças por menos!

Beijos!

angela disse...

Oh doce menina de olhos ardentes
e veias pulsantes
O que fazer com tanta vida latente?
-Escrever belos poemas.
beijos

Albuq disse...

Lindos versos Lara!

Cris de Souza disse...

Paisagem que transpira...

No crepúsculo, o firmamento pega fogo.

Beijos, bela flor!

Nilson Barcelli disse...

Dás um trabalhão...
Mas vale a pena, porque este teu poema é excelente.
Gostei particularmente do final... menina inteligente...
Querida amiga, boa semana.
Um beijo.

Pistoleiro Corvo disse...

Pergunto o que eu sentiria, se encontrasse os olhos de cor azul escuro, com um toque de laranja.

dade amorim disse...

Musical e sofrido presente da madrugada. Lindo Larinha.

Felipe Marques disse...

spleen agradabilíssimo!

bjo