Defronte



E quem é você
para oferecer
conselho?
A ironia
de todo dia
diante do espelho.

Alguém
que já viveu
além do esperado?
O sarcasmo
em pleonasmo
disfarçado.

Ninguém lhe disse
ser tolice
o que pensa?
O desafio
em feitio
de ofensa.

Decerto que não
- respondi secamente -
que não sou de sermão,
mas de ser confidente.


Poema publicado em 10 de setembro no Doce de Lira.

8 comentários:

Luiza Maciel Nogueira disse...

ser amigo já é suficiente :)
beijo

Úrsula Avner disse...

Poema rico em lindas imagens poéticas Renata. Bj com carinho.

Hercília Fernandes disse...

Belo diálogo interior, Renata.
O espelho nos leva a reflexões, indagações, enfim ao encontro com o nosso eu; muito embora a ponte envolva aparências que levam às essências.

Sempre um encanto ler seus escritos.

Beijo com carinho,
H.F.

Renata de Aragão Lopes disse...

Luíza, o poema foi escrito exatamente para uma amiga de quem sou confidente!

Úrsula, muito obrigada pelo comentário e pelo carinho! Noto que você sempre se faz presente!

Hercília, é sempre um prazer ter meus escritos lidos por você!

Beijos a cada uma,
Doce de Lira

Letícia Palmeira disse...

Poeta das grandes você é.
Dá até nó na garganta. Li um poema no annacrônica e faço link com o seu. É bom demais ler poesia.

Bjo.

Mirze Souza disse...

Belo demais, Renata!

Entrarei hoje, porque ontem estava na balbúrdia da WebJet!

Obrigada, amiga!

Beijos

Mirze

Renata de Aragão Lopes disse...

Letícia Palmeira, muito obrigada pelo elogio! Serve-me de estímulo! : )

Mirze Souza, que bom que também gostou do poema!

Beijos!

Lou Vilela disse...

Renata,

Suas construções marcam pelo excelente manejo da palavra.

Abraços