Indulto

Fauna e Flora Brasileiras, de Cândido Portinari


Ao mergulhar profundidade oceano
O corpo atordoa.


[Minha terra tem coqueiros
E aves de ruma;
Farinha, cuscuz, munguzá;
Folclore, credos, patuás.]

Quando necessário implodo, recomeço.
Visto incansavelmente as peles que me tocam:
Sou uno, sou todos, zé-ninguém
- Sou Poeta!

Ademais, afino-me pelo diapasão dos pássaros.

[Não permita Deus que eu morra,
Sem gorjear.]




Lou Vilela in Nudez Poética
.

19 comentários:

Assis Freitas disse...

que maravilha Lou, este canto de outrora sempre evoca o presente. cheiro

Albuq disse...

Lou, fiquei encantada com a beleza da poesia e o casamento com a tela. Simplesmente linda essa imagem diversificada do Brasil! bjs

ONG ALERTA disse...

Lindo é simplesmente vida...paz.
Um abraço Lisette.

Adriana Karnal disse...

Lou,
és poeta! goegeia "gorgeusly"...

Lou Vilela disse...

Sim, Assis... atualíssimo!

---

Albuq, sou fascinada pelo trabalho do Portinari. ;) Em relação à poesia, sou eterna aprendiz.

---
Lisette, obrigada pela leitura, minha cara!

---

Dri, a gente tenta. rsrs

---

Um grande abraço a todos,
Lou

Adriana Karnal disse...

Lou, meu post não saiu ainda??? ;(
( é q publiquei um comment e ele não tá aparecendo...)

Adriana Karnal disse...

rsrsrr, tá ele ali,ó...
é q adorei seu poema, queria ter certeza q vc visse.( e tbm pq sei q depois de vc sou eu,heheh)

Lara Amaral disse...

Pelo seu olhar sobre todas as coisas, nota-se o mundo que te habita, poetisa. Seu canto espalha muitas emoções por onde passa.

Beijo!

Úrsula Avner disse...

Belo e sensível poema Lou ! Bj.

tania não desista disse...

que interessante lou!
olhando tudo em volta ,sendo voz que toca as almas com sua poesia
e sentimentos...o poeta veste e se cobre de emoções o tempo todo!
lindo lou!
bj
taniamariza

Daniel Moraes disse...

Simplesmente D++++. Tem texto novo no Sub Mundos. Um abraço.

http://submundosemmim.blogspot.com

dade amorim disse...

Perfeita essa conjugação de passado/presente, poema/tela.

Beijo encantado.

Juan Moravagine Carneiro disse...

Além dos seus versos, o que admiro muito é a meneira como você monta suas colagens...

Nos possibilitando adentrar em várias interpretações...

agradecido pelas visitas ao Rembrandt

abraço

Hercília Fernandes disse...

"Afinar pelo diapasão dos pássaros"...

que beleza de imagem in definição, Lou, ao canto poético!?

Sua poesia é sempre envolvente e rica em conteúdos. Faz-me poética lê-la!

Mais um belo poema, minha caríssima!

Beijos,
H.F.

Lou Vilela disse...

Dri, fique tranquila! Li e reli. rsrs

---

Larinha, vai ver que é pq trago na bagagem tantos outros cantos que também me encantam. ;)

---

Obrigada pelo gentil comentário, Úrsula!

---

Tânia, comentário poético! ;)

---

Valeu, Daniel! =)

---

Dade, sua presença também nos encanta.

---

Juan, o mérito é compartilhado com o leitor. ;)

---

Hercília, teus feedbacks são sempre enriquecedores.

---

Um grande abraço a todos,
Lou

Lunna Guedes disse...

Dando ao pretérito um pouco do olhar atual. belo, sem dúvida alguma.

j maria castanho disse...

Há sempre poemas possíveis
Entre nossas mãos
Um sorriso jovial, um beijo
Roubado sou quando me lembras
Distante.


Podia minha voz sussurrar-te
A distância transponível
A minha cabeça entre teu colo?


Mas há sempre um MAS
Que a vida tece
Com as linhas que nos pede emprestadas
E tu não me escutas, nem eu repouso...


Por isso, nas horas vagas
Em que me alinhavo e descoso
Continuamente visando o mar e as vagas
Em que vou e venho
Um rumo me impele, e ouso...


E sonho...
... E tenho.

Lou Vilela disse...

Lunna,

É um prazer recebê-la!

Abraços,
Lou

Lou Vilela disse...

J Maria,

Pela demonstração, tuas mãos estão familiarizadas com as belas tramas.

Abraços,
Lou