Chorinho

O bandolim tem uma tristeza que chora
se eu choro, não sei se no mesmo tempo
com uma intensidade resvalo
minha identidade num instrumento

tudo o que toco, desafina
não se aproxime, pois
do meu tocar que não é de lira
nem cítara, nem penar
não dou tanta corda
se o faço é para te ver dançar

na lamúria das suas pausas
nas notas da minha agonia
dedilho miudinho, e eu vou
na orquestra sem maestria
diminuindo.

40 comentários:

Wania disse...

Larinha

Lindas lágrimas poéticas saíram deste Chorinho!



Bjs, minha flor

Fouad Talal disse...

depois vc vê o vídeo no meu blog...
Vai gostar!

Um beijo.

José Carlos Brandão disse...

O chorinho tem a vantagem de ser doce e belo.

reltih disse...

una cadencia musical muy dulce. me encantaste.
besos

Zélia Guardiano disse...

Lindíssimo, minha querida Lara!
Lindíssimo!
Delicioso chá de hortelã, com uma pitadinha de absinto...
Beijinho.

Kenia Cris disse...

Mesmo breve, seu choro não deixa de tocar o coração de quem ouve. Você não desafina nunca, Lara. Beijo carinhoso. =*

Noslen ed azuos disse...

'sentir
iria...
de sua música
sabores de flores
poesia'


pequena poesia para marias

Bjs
ns

Albuq disse...

Lara, que linda poesia!

Amo chorinho enquanto som e juntando-se a poesia... perfeito! bjs

Livinha disse...

Lara,
Nas canções os canais se abrem e um chorinho vaza nas notas mais sensíveis em percussão...

Perfeito!

Bjs
Livinha

Assis Freitas disse...

que lamento mais tristinho, lembrou-me uma canção de Gil chamada Um sonho:

"E saiu assoviando
Uma triste melodia
Que parecia
Um prelúdio bachiano
Um frevo pernambucano
Um choro do Pixinguinha"

Cheiro de alumbramentos

Paulo Rogério disse...

Saudade e coração partido instrumentalizados.
Lindas notas tristes!
Beijo!

Talita Prates disse...

E eu não ADOREI?!

Lindo, Larinha!

Um bjo grande,

Talita.

Adriana Karnal disse...

Sabes q eu adoro um chorinho?
lindinho, Larinha...

Mai disse...

Mesmo triste és delicadamente agradável o teu chorinho poético.

beijos, querida.
fica bem

Nydia Bonetti disse...

tão melancólico, Lara, mas tão bonito. conheço tão bem o som do bandolim... beijos.

Marcello disse...

LARA querida...

A
D
O
R
E
I

bjs

Valéria Sorohan disse...

Oi, moça.
Tão bonito e tão triste, isso que é chorinho.. o resto é misantrópico...rs

BeijooO'

Ribeiro Pedreira disse...

O choro sem lágrimas espanta, mas um fino desafino repele só aqueles que vivem música.
Bjs!

Marcelo Novaes disse...

Lara,



O bandolim ao fundo torna tudo mais "momentoso". Mesmo depois que passa.






Um beijo.

Batom e poesias disse...

O bandolim é mesmo como os olhos que choram.
Te cordas duplas que soam a mesma nota.

Lindo, Larinha
bj
rossana

Geraldo de Barros disse...

não concordo com esse eu lírico não, mas a poeta expressou bens os sentimentos das pessoas com maestria, todos se sentem assim em algum momento

beijo,
G.

Juan Moravagine Carneiro disse...

Belo...como uma alvorada...!

Cartola até sorriu

beijos

Úrsula Avner disse...

Oi Lara, uma canção "chorada", sentida, intensa... Linda produção poética ! Bj com carinho.

Márcio Vandré disse...

Não é só esse instrumento que tem tal singularidade.
Um simples assobio pode derrubar um homem em prantos.
Belo texto!
Um beijo, Lara!

tonhOliveira disse...



"Quem não chorinho,
não maminha"!

Snif! Snif!

...

♫ Tire o seu sorriso do caminho
que eu quero passar com minha dor ♪

Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito

be:)o!

Ivan Bueno disse...

Lara,
Suas poesias sempre me surpreendem positivamente. Gostei de te ver por aqui, também. Parabéns pela escolha de Maria Clara.
Acho que em bandolins e choros vem a vida.
Parabéns pela sensibilidade tão transparente.
Beijo grande,

Ivan Bueno
blog: Empirismo Vernacular
www.eng-ivanbueno.blogspot.com

Hercília Fernandes disse...

Profundo e intenso poema, Lara.
Embora não seja lira nem cítara, como adverte o eu-emotivo, contém um lirismo que repercute no ser do leitor.

Belo, minha amiga!

Beijos,
H.F.

Elza Fraga disse...

[na orquestra sem maestria
diminuindo]

Larinha, se preocupa não que você
não é poeta do diminuindo, é do aumentando.
Aumentando a poesia e fazendo dela
uma torre, cada andar mais espaçoso, mais visível, mais largo pras nossas caminhadas.
E ainda tem muito espaço pra sua torre subir, e pra gente se deleitar com o chorinho dos seus instrumentos de poeta.
Bitokitas e votos que seu dedilhar de poemas dure pra sempre. Amém!

Paulo Jorge Dumaresq disse...

Caríssima, tudo que tocas vira ouro.
Os seus dedinhos dedilhando as cordas da poesia reinventam o belo e a eternidade.
Grande momento seu.
Bjs e seja feliz.

Lou Vilela disse...

Do choro, fez-se o poema! ;)

Bjs

Sr do Vale disse...

O bandolim, faz lembrar-me de meu pai, que tocava chorinhos, que até hoje repercurtem em minha memória.
Um poema dueto. música e lágrimas.

Lai Paiva disse...

Larinha, coisa mais linda este poema!!! Bjs querida.

Mirze Souza disse...

Larinha!

Linda amiga, amei seu chorinho!

O bandolim é triste mesmo, mas você afinou-o certinho!

Parabéns!

Beleza de poema!

Beijos

Mirze

Canteiro Pessoal disse...

Lara, estou maravilhada com teu cantinho, que riqueza, qualidade que eleva um ser. Com certeza, farei muitos pousos por aqui, absorver o néctar de cada palavra exprimida com tanta expressão e reflexão.

Abraços,

Priscila Cáliga

dade amorim disse...

Nosa, Lara, que chorinho mais lindo.

Beijo

Carol Morais disse...

Lindo demais Lara!
Alem das imagens vc tambem trabalha divinamente com os sons.

Lindo demais!

Parabens!

POETA E/OU LOUCO disse...

Choro

Por que não?
Quão ingênuo
Eu em vão
Tão ambíguo

Comigo sim violão
Comigo não bandolim

Vim contíguo
Eu em mim
Assim continuo
Porque sim!

Lunna Guedes disse...

Que delícia de ritmo, quase consigo cantar. Bravo

nina rizzi disse...

dimuindo? mas a musicalidade da poema subindo ;)

beijos.

cristinasiqueira disse...

Fez-me lembrar Boris Vian "dedilho miudinho, e eu vou
na orquestra sem maestria
diminuindo."...nenúfar.

Belo chorinho!

Beijos,