Cabralina


Salvador Dalí - Galatéia das Esferas


W. H. Auden
(1905-1973)

Se morre da morte que ela quer.
É ela que escolhe seu estilo,
sem cogitar se a coisa que mata
rima com sua morte ou faz sentido.
Mas ela certo te respeitava,
de muito ler reler teus livros,
pois matou-te com a guilhotina,
fuzil limpo, do ataque cardíaco.

(João Cabral de Melo Neto)



Entre mim e ela

A morte mata do que ela quer.
Mas tentarei convencê-la:
chegar consciente, partir sonhando
flutuando em travesseiro.
Aspirar, por via das dúvidas,
poesia e cheiro
de um tudo que aqui vivi.
Ser queimada, virar cinzas
espalmada à toda sorte.
Seguir passarinho:
[só sucumbir à morte]
sumir em revoada.


13 comentários:

Wania disse...

Lou

Liiiindo o teu diálogo com João Cabral e com morte...

Seguir passarinho:
[só sucumbir à morte]
sumir em revoada.


È tudo que se quer depois de tudo que aqui se viveu!
Que ela se convença e faça disso a regra!

Gostei demais!

Bjs, amiga!

PS: tb estou falando da morte, mas em outras asas!

Mirse Maria disse...

Muito lindo, Lou!

João Cabral é meu livro de cabeceira (um dos). Perfeito o diálogo!

Parabéns!

Beijos

Mirse

Albuq disse...

Massa Lou, muito interessante esse diálogo, muito intrigante também!
bjs

Renata de Aragão Lopes disse...

Que lindo diálogo
com João Cabral!

Seus versos
são complementares
aos dele...

Beijo, querida!

Adriana Godoy disse...

Belo diálogo,Lou! Beijo.

Lara Amaral disse...

A morte busca-nos aos poucos, mas vem súbita, enquanto tentamos nos preparar para algo que não tem treino.

Um diálogo entre dois grandes poetas que admiro. Resta-me observar com cuidado.

Beijo, querida.

Assis Freitas disse...

Lou, essa Cabralina é um diálogo e tanto. Além de Cabral senti na última estrofe ecos do passarinho de Quintana. Show. Beijo

Úrsula Avner disse...

Oi Lou, linda descrição poética da morte em versos de grande sensibilidade e delicadeza. O dálogo com o texto do Cabral ficou perfeito e a imagem ilustrativa também ! Bj,

Úrsula

Leonor Cordeiro disse...

sumir em revoada...


Que belo poema.
Bendita Lou!
Benditas palavras!

Hercília Fernandes disse...

"Seguir passarinho...
sumir em revoada".

Lou, que lindas imagens em um tema profundo!? Simplesmente lindo o seu poema, muito mesmo!

Seu diálogo com João Cabral é arrebatador = puro deleite!

Parabéns, minha querida, pelo muito de seu post!

Beijos,
H.F.

Lou Vilela disse...

Vou contar um 'segredo': vocês me fazem muito feliz! ;)


Beijos de embalar.

Silvana Nunes .'. disse...

Bom dia.
Nossa, que lindo.
Eu adoro João Cabral de Melo Neto.
Perdoe a minha ausência, mas estou sem computador e só vou poder comprar outro sei lá quando.
FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... passando para desejar um bom feriado.
Saudações Educacionais !

Lou Vilela disse...

Um bom feriado pra ti também, Silvana! Você é sempre bem-vinda!

Abraços