Ao pé da letra

Underground

um urro único
ultrapassa umbrais,
ulcera úvulas,
urge

um uivo último
ultraleve, ultrassônico
usurpa ultramares,
ultima

um ulo unívoco
une umbigos,
universaliza usos,
urde utopias

usufruto, uai.

* * * * * * * *

sequela

consequência tinha trema
quando ele se foi, sequioso
tremi

na sequência
sigo só
ô sequidão

* * * * * * * *

tentação

Teresa não-me-toques
torce o terço:
tanto tato, tanto tino,
tanta trava...
ô tristeza!

Tire o atraso, Tetê
tempo é tudo
destempere,
atreva, tropece

Se toque.

* * * * * *

9 comentários:

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga.

Cada poema publicado, é um afago na alma.

Semana de alegrias para ti.

Mirse Maria disse...

Maria Paula!

Três maravilhosos poemas!

Não dá para distinguir o melhor, pois já são distinta mente lindos se separados!

Uma beleza!

Parabéns!

Mirse

Lara Amaral disse...

Muito criativa a sua escrita. Parabéns, Maria Paula!

Abraços.

Hercília Fernandes disse...

Bela seleção de "brincos", Maria Paula. Muito apreciei!

Os textos são deliciosos. Me encanta a sua facilidade de brincar com as palavras, com os sons, com os sentidos.

Gostei de todos os poemas que integram o seu belo carrossel, mas "sequela", devido a associação do tema à metalinguagem, me pegou. Muito bom!

Um abraço, minha querida. Feliz que esteja entre nós!

Um beijo,
H.F.

Lou Vilela disse...

Paula,

O teu jogo - (des)contrução - encanta e demonstra um conhecimento singular.

Bjs

putas resolutas disse...

ulalá - afiadíssima! como sempre, né??

besos
líria

BAR DO BARDO disse...

Excelentes articulações!

Bhavesh Chhatbar disse...

What an art of words!

Mexican Prickly Poppy [Argemone Mexicana, Satyanashi, सत्यानाशी]

Renata de Aragão Lopes disse...

Também tremi
diante do Novo Acordo Ortográfico!

Beijo,
doce de lira