* Quem a vê... não a sabe


arte : Pino Daeni


Quem a vê


terna e pacata


meiga e cordata


olhar sereno


não a conhece



Quem a vê


sobre a sacada


em sonhos debruçada


gesto ameno


sente que não desfalece



Seios proeminentes


escondem pulsações


olhares intermitentes


guardam rios de emoções



Quem a vê


em trajes comportados


sorriso discreto e são


desconhece que provou


o gosto doce do figo


nas vestes naturais de Adão



Úrsula Avner




12 comentários:

Úrsula Avner disse...

Caros (as) amigos (as) do blog e visitantes,

Meu dia oficial de postagem seria amanhã- segunda-feira, porém resolvi postar o poema hoje porque amanhã não terei tempo hábil para acessar a internet, talvez somente á noite. Conto com a compreensão de todos (as) e espero qe apreciem o poema. Grande abraço com meu carinho,

Úrsula Avner

Lara Amaral disse...

Adorei, Úrsula. O velho jogo da aparências...

Beijos!

ju rigoni disse...

Belíssimo poema que expõe com suavidade o preço da transmudação.
Do lado de dentro muito mais do que se pensa haver... Mar de surpresas.

Amei, Úrsula!

Hercília Fernandes disse...

"o gosto doce do figo
nas vestes naturais de Adão..."

Linda imagem, Úrsula. O poema inteiro é belo, mas o fechamento é encantador. Coisa que somente uma alma onírica, como é a sua, poetizaria.

Sim... quem a vê, não a sabe... Há muitos mistérios no universo feminino.

Um grande poema, Amiga. Parabéns!

Beijos :)
H.F.

Adriana Godoy disse...

Que poema bom! "As aparências enganam aos que odoeiam, aos que amam..." Adorei. Beijo.

Adriana Karnal disse...

Úrsula,
já postei lá no teu blog, mas adorei o poema, essa casca que nos cobre não quer dizer nada mesmo.

Adriana Karnal disse...

Úrsula,
já postei lá no teu blog, mas adorei o poema, essa casca que nos cobre não quer dizer nada mesmo.

Adriana Karnal disse...

Úrsula,
já postei lá no teu blog, mas adorei o poema, essa casca que nos cobre não quer dizer nada mesmo.

Celia M disse...

Nossa Úrsula, Ta lindo demais seu poema.Delícia de ler. Adorei. Bjsss

Úrsula Avner disse...

Lara,

agradeço o carinho de sua visita e amável comentário. Bj ;

Ju,

Obrigada por suas expressivas palavras . Agradeço sua amabilidade . Fico feliz que tenha apreciado o poema. A mulher é mesmo um mistério... Bj ;

Hercília,

Que bom que você gostou do poema. Obrigada pelas palavras sempre amáveis. Bj ;

Godoy e Karnal,

Obrigada pelos comentários frequentes em meus espaços poéticos. Contenta-me terem apreciado o poema. Bj a cada uma ;

Oi Célia,

fico feliz com sua visita e gentileza do comentário. Bj,

Úrsula

Zeze Mendez disse...

Lindo poema!
Passando pra desejar uma ótima semana, cheia de saúde e paz e alegria...

Rafaela Figueiredo disse...

é viajar demais, mas 'a vê' fica sendo um anagrama de 'eva'?!

bonito, bem bonito! :)