Postagem Simplesmente Poesia (10)


Flores de luz azul




Não sei por que motivo


Às vezes

não sei por que motivo

afogo o olhar

em trágicos silêncios.

Para encontrar a luz

me bastava enfrentar

a noite, porque possuo

nos olhos o apelo

errante das sombras.

Pequenas traições

tatuadas na pele

são apenas pretextos

para disfarçar os medos.

Um remorso

germinando na lembrança

devolve-me o temor

de múltiplas solidões.


by Graça Pires


Doce pecado*


um doce pecado

um favo de mel

uma estrela que caiu do céu

- do céu

uma rosa que desabrochou

um beija-flor que a beijou

um nome para eu chamar de amor

- de amor

o meu amor

não é meu namorado

não é um caso é um mar agitado

onde ondas vem e vão

onde as pedras tristes sangram de solidão


by Hercília Fernandes


Carta frente ao mar (IX)



Minha Querida,


Vim até ao Mar. Brevemente, mas vim. Até si!

Não disse uma única palavra. Apenas a senti em silêncio.

E beijei-a, terna e apaixonadamente, aconchegado na lembrança.

O meu peito rebenta em emoção. Anseia pela sua voz, por essa sua suave expressão, que me estremece completamente.


Transbordo em sentir por saber o que pulsa incontrolável dentro de mim. Tenho tanto medo de a perder! Por isso, agarro-me à esperança.

É assim que de novo vejo o Mar. No mesmo lugar de ontem.

Hoje, as águas estão amenas e a luz é outra.

O instante da origem ocorreu e fui recriado. Foi um tsunami que me varreu!

Não foram apenas as águas que me preencheram. A sua voz abalou-me.

Há uma menina do Mar em si. Que voz doce e meiga! Nunca tinha ouvido uma sereia!

Ainda estou envolvido nas palavras incorporadas em silêncio.

Tudo ou nada? Respondi tudo. Recebi, nada.

Como desejava essa resposta!

Só se alcança o todo se este for formado pelo tudo e pelo nada.

Sabe, o amor tem que ser intenso e permanentemente rasgado por instantes de paixão!

E por si, sou arrebatado sem resistência. Em coerência com o sentir, pois não sei ser de outra maneira.

Se não me quiser, serei lágrimas desgarradas. E todas elas a amarão.

Mas continuarei a ser! Mesmo em cristalinos, que entregarei ao correr dos tempos como flores de luz azul que nos guiarão ao reencontro eterno.

Que inevitavelmente acontecerá!

Sei-o porque sou Multiverso. Dele criador e nele autor do tempo.

Mas acima de tudo, aqui, neste instante gerador de futuro, sou esperança.

E amor. Em azul!

Novos mares nascem, mas nós permaneceremos e criaremos em Luz.

Não pense. Sinta-o!


Um beijo terno, doce alma


by Vicente Ferreira da Silva




*Canção composta em parceria com Marcus Vinícius há longínquas águas...

**Fotos disponíveis no Google Imagens.

7 comentários:

Mirse Maria disse...

A excelência chegou ao Maria Clara Simplesmente Poesia.

Em Flores de Luz Azul, a beleza dos versos de Graça Pires, onde destaco a pérola: "Para encontrar a luz, me bastava enfrentar a noite, porque possuo nos olhos o apelo errante das sombras". Divino!

Em Doce Pecado, sem fugir ao magestoso estilo, Hercília transborda em lirismo e trnasforma o amor, num mar agitado, onde sangra solidão! Maravilhoso!

Em "Carta Frente ao Mar", Vicente Ferreira da Silva, me levou às lágrimas.
Como sempre faz em seus poemas, mas este, por excelência em todos os sentidos, transborda a emoção.

Parabéns, Graça Pires, Hercília e Vicente!

Tríade imbatível!

Á vocês, meus aplausos! E meu silêncio meditativo!

Beijos

Mirse

Hercília Fernandes disse...

Mirse, minha amiga.

Me alegra saber que apreciou a escolha dos textos.

Sim... a literatura dos portugueses Graça Pires e Vicente Ferreira da Silva é majestosa.

Obrigada por sua leitura e comentário tão expressivo.

Forte abraço,
H.F.

BAR DO BARDO disse...

Um belo jogo entre poetas...

Dir-se-ia um florilégio.

Hercília Fernandes disse...

Florilégio, H.P.?!

Adorei isso...

Muito obrigada pela visita e bom humor traduzido em palavras.

Abraços,
H.F.

Vicente Ferreira da Silva disse...

Maria Clara,

que dizer deste imenso gesto de generosidade para com as minhas palavras?
imagina quanta honra sinto por estar na companhia de duas grandes senhoras?

Mirse, Hercília e Henrique,

o vosso carinho e amizade é uma das coisas que levarei comigo para o in-finito.

Vicente

Úrsula Avner disse...

"Não sei por que motivo", em "flores de luz azul", se contempla um "doce pecado" sutilmente expresso em palavras numa "carta frente ao mar (IX)"... Três belos textos poéticos que se complementam num lirismo envolvente e grande qualidade literária, que prendem a atenção do(a) leitor(a) do início ao fim. Belas postagens Hercília ! Parabéns a você, à Graça Pires e ao Vicente por tão belas obras nas quais podemos nos deleitar. Parabéns ao Maria Clara : Simplesmente Poesia... Bj.

Hercília Fernandes disse...

*Vicente,

eu adoro as suas "Cartas frente ao mar". Você escreve com uma intensidade de sentimentos combinada a sofia que nos aquece os sentidos e pensamentos.

Muito obrigada por sua presença e gentis palavras.

*Úrsula,

lindo o seu comentário. A sua leitura do post é poeticamente coerente. Muito agradecida por sua presença entre nós.

Um forte abraço, amigos!
H.F.