construção

imagem capturada na internet sem indicação de autoria. mas lembro de tê-la visto nos jornais lá pelos idos do doismilicinco...

nina rizzi

imagina só meu caro amigo, que logo eu
aos doze anos, na flor da idade
fui um milagre brasileiro:
uma morena de angola, dos olhos d'água,
moça da cidade e violeira na cidade dos artistas
uma cidade ideal pra minha canção, pra ver a banda passar,
curtir festa modesta ou a fantasia
sempre voltando ao samba na ciranda da bailarina.

era a moça mais bonita, a moça do sonho,
na ilha de lia, no barco de rosa.
ura na queda, desafiei o malandro e fiz
um casamento de pequenos burgueses num circo místico
numa noite de mascarados com um novo amor
(é que não existe pecado ao sul do equador).

mas como o cotidiano é cheio
de desencontros, desencantos, desemboladas,
feito um folhetim de esconde-esconde
deixei a menina, carioca ou francesa,
como num samba de adeus, pois é
qualquer amor, romance é como um retrato em preto e branco,
samba, agoniza, mas não morre a gente fica com tanta saudade
então como sentimental vamos sempre em frente na roda viva.

mas tem mais samba rei de ramos!
samba de orly, tango de covil, valsinha, um chorinho
sobre todas as coisas daqueles anos dourados!
sobre o tempo que passou, minha história.
não fui uma menina, trocando em miúdos, fui umas e outras
e pra não dizer mais tantas palavras fora de hora
façamos a lista do meu sonho de carnaval, das minhas meninas,
las muchachas de Copacabana as mulheres que fui:

ana de amsterdam
angélica
bárbara
beatriz
carolina
cecília
cristina
geni
helena
iolanda
iracema
januária
joana
leila
lola
lilly braun
luísa e luíza
madalena
maria
nancy
renata
rita
rosa
sílvia
teresinha.

palavra de mulher! fui todas as mulheres de atenas!
uma mulher em cada porto, com açúcar e com afeto,
sem açúcar, sem fantasia, sem compromisso de todas as maneiras.

mas essa minha canção, o meu último blues
é pra deixar de ser tudo que sou e que fui
por um sonho (quase) impossível:
ser a garota do leblon.
e se não puder... não sonho mais!

7 comentários:

Adriana Karnal disse...

Nina,
Adoro o chico, e você foi perfeia nessa prosa poética com tantas referências...para mim já és a me-nina do Leblon, ainda que nordestina, com sotaque carregado tem mais valia...c é arretada,heim?

Adriana Godoy disse...

Nina, você colocou tão bem a obra e as mulheres de Chico que dá gosto! Chico é the best e vc também. Arrasou. Parabéns. Beijo.

Lou Vilela disse...

Belezura de texto, Nina! Muito bem delineado - e elegante, como o Chico e o seu jeito "ermitão chique" de ser. ;)

Bjs

Úrsula Avner disse...

Oi Nina,
Chico Buarque é admirável e agora ficou mais ainda neste poema onde você mescla referências de obras do autor num arranjo textual impecável feito com " todo sentimento" ( título de canção do autor). Muito bom ! Bj.

Hercília Fernandes disse...

Nina,

seu poema-prosa e/ou prosa-poema muito me sensibilizou. Além da riqueza intertextual, onde você pontua com intensidade de sentimentos fragmentos do Chico Buarque, sente-se que o texto ganha vida própria. Reflete de maneira minuciosa as coisas próprias do universo feminino; mas, acima de tudo, deixa emergir a face múltipla de sua criadora: a me-Nina Ri-se.

Belíssima construção, minha querida. E a foto que escolheu para ilustração do post é maravilhosa. Parabéns por "tudos"!

Beijos :)
H.F.

nina rizzi disse...

meninas todas companheiras de guerra:
obrigada pelas leituras e cdomentários tão gentis e atentos. sabem que já amo-as?

beijos.

ah, sim, o chico é tudos, Karnal eu sou mesmo? avisa pra ele, avisa?! rsrsrs..

Mirse Maria disse...

Oi Nina!

Parabéns, pela prosa poética do MEU Chico!

Ele e nós merecemos sempre suas canções, sua elegância no modo de viver e sua cultura.


Beijos

mirse