Postagem Simplesmente Poesia (6)


Angélica

ou...

"Sois Anjo, que me tenta, e não me guarda”...

Vênus - Diego Velázquez


Desejo, por um anjo, o que me é dado:

a morte do desejo que se doa,

um anjo que por mim foi desejado.

Não seja, porque esbanjo o dom à toa.


Eu tanjo o meu cordame de coitado,

com o peito condoído, que destoa

do tom, em desacordo ao acordado.

Da corda vem o sangue que me escoa.


É a pena angelical que me depena

do bem e de meus bens, e já não tarda

não prive mais do mal que me condena.


Eu creio que me resta com que eu arda

solando nos infernos, numa cena

ao anjo do desejo, que me guarda.


by Henrique Pimenta



Estraga prazer

(notas de explicação que ninguém pediu...)


O conflito entre o eu e o mundo, a intensidade nos apelos da carne, a brevidade da vida, a fugacidade do sonho, os embates dualísticos e as inquietações humano-existenciais são algumas das temáticas que a Literatura Barroca (XVI-XVIII), sobretudo em suas formas poéticas, desenvolvera dentro do gênero lírico.

No Brasil um dos maiores representantes do Barroco fora o baiano Gregório de Matos (1633-1696), “o Boca do Inferno”, que proponha, em sua lírica amorosa, a plenitude dos desejos em contraposição a lírica idealizada da Renascença.

Segundo Pellegrini, em sua vertente amorosa, o poeta “louva a mulher, conforme a tradição lírica anterior, só que trata da mulher desejada, não apenas platonicamente idealizada, de quem se solicita a companhia para aproveitar os prazeres da vida” (in: Palavra e Arte, 1996, p. 264).

Essa argumentação pode ser vislumbrada em o soneto A mesma D. Ângela, onde Gregório de Matos desenvolve, metaforicamente, duas imagens referentes à mulher, realizando trocadilhos entre nomes e estabelecendo antíteses entre Anjo e Demônio - embora esta última imagem não apareça claramente explicitada.

A profanidade na imagem feminina se percebe exposta em o soneto Angélica, do poeta Henrique Pimenta. No texto, o eu-lírico desmistifica a divinização do feminino e evoca a plena satisfação dos desejos; propondo uma inversão de valores ao afirmar em versos que tanje o seu “cordame de coitado”, considerando que é “a pena angelical que [lhe] depena”, por isso mesmo não mais lhe seja privado “o mal que [o] condena”...



Nota:

No próximo sábado, o quadro "Postagem Simplesmente Poesia", assinado pela Maria Clara, será realizado pela poetisa Nina Rizzi.


14 comentários:

Hercília Fernandes disse...

AMIGOS,

venho informar que o quadro "Postagem Simplesmente Poesia" fora ampliado. Além de sugerir leitura, o post vem acompanhado de algumas notas explicativas, propondo intrecruzamentos e horizontes de interpretação.

Ademais, o post será escrito por qualquer uma das poetisas que integram o blog, mediante cronograma previamente estabelecido entre o grupo.

Assim, no próximo sábado a postagem da maria clara será escrita pela poetisa Nina Rizzi que dará seu toque especial ao quadro.

Aproveitando...

destaco a presença das poetisas ÚRSULA AVNER e MARIA PAULA ALVIM que já confirmaram a sua adesão ao Projeto Maria Clara: simplesmente poesia.

As poetisas estrearão na quarta semana deste mês, compondo os posts da segunda e quinta-feira.

Úrsula e Maria Paula,

sintam-se muito bem vindas aqui no Maria Clara. Obrigada por aceitarem integrar nosso espaço de poesia feminina.

Beijos em todos e todas,
H.F.

Mirse disse...

Belíssimo soneto!
Grande estréia!

Meu poeta, fosse eu teu anjo, te guardava, como agora , aquele que te guarda, te conforta o peito condoído.

Que o anjo do desejo vele seu sono e o guarde!

Aplausos!

Beijos

Mirse

nina rizzi disse...

eu também tinha vontade de fazer diálogos com as poesias desse sujeitinho... rssrsrsr.

belíssimpo trabalho, hercília. um primor e nada de chatices! :D

até sábado, digo, quinta. e sábado :)
beijo.

Lou Vilela disse...

Esse cara tem-me feito admirar mais sonetos do que pretendia numa vida. rsrs

Parabéns pelo trabalho, Hercília, o qual exige conhecimento e sensibilidade!

Abraços,
Lou

Adriana Godoy disse...

Parabéns pela escolha do poema e pelo texto tão bem conduzido e estruturado.
O Bardo sempre gratifica pela qualidade de seu trabalho e junto às suas "explicações" torna-se mais ainda.Excelente. Beijos.

Devir disse...

Que pankada!!! Aleluia!!!
E o sujeitinho quase já merece ter nome, e ainda há de morrer para cumprir tal destino.

Enfim, um góle saudável e muito bem acompanhado por garotas tão belas e singulares.

Macunaíma nem se atreve
a perguntar, já que não sabe(?)
por que é foi será considerado
engraçado ignorante preguiçoso etc

E sábado que vem
nhá nhá lindinha
??? Cadê meu Drummond

Um grande abraço, Senhoras
e valeu
por demonstrar algo mais, Bardo

Úrsula Avner disse...

Oi Maria Clara e Hercília, o poema postado é belo e intrigante além de bem estruturado do ponto de vista literário. Agradeço ás duas pelo convite no intuito de compor o grupo de vozes femininas do quadro " Postagem Simplesmente poesia " , do qual farei parte com muito prazer. O convite foi para mim motivo de honra e grande alegria. Obrigada pelo carinho. Bj.

Hercília Fernandes disse...

*Meninas [Mirse, Nina, Godoy, Lou e Úrsula],

muito me alegra saber que vocês apreciaram a escolha da Maria Clara...

O Henrique Pimenta, para mim, é um dos maiores poetas atuais da Web, domina com excelência a arte e ciência do soneto, sem perder de vista o lirismo.

Assim, oferecer voz à Maria Clara através da escrita deste post foi algo bastante enriquecedor e prazeroso.

*Devir,

muito obrigada por sua presença no simplesmente poesia e fartura no comentário.

Um abraço em todos e todas,
H.F.

mariab disse...

Que belo soneto! Perfeito!
beijos

Hercília Fernandes disse...

Mariab,

creio que o Pimenta vai adorar ouvir as suas palavras.

Muito obrigada, minha querida, por sua visita!

Beijos :)

H.F.

BAR DO BARDO disse...

Olá, jovens!

Estou aqui para agradecer publicamente o trabalho feito pela Maria Clara com um texto de minha autoria. Penso: quando dois Pimentas se esbarram, o negócio pega fogo!

Agradeço também as palavras gentis dos leitores deste excelente blogue dedicado à boa poesia feminina.

Para mim, lisonja. Estar entre mulheres, educadoras e/ou poetas inteligentes e criativas, lisonja. Um mérito que guardarei para sempre. Mais uma vez, obrigado!

- Henrique Pimenta

Hercília Fernandes disse...

Henrique,

como apreciadora de sua boa poesia, é-me sempre um prazer trazer seus belos sonetos para o "maria clara: simplesmente poesia". Sem falar que o universo feminino, como se pôde ler em Ângela, sempre se faz presente, de alguma forma, em sua lírica.

Parabéns, Bardo, pela fortuna de sua criação.

Me contenta saber que gostou do post.

Beijos :)
H.F.

Maria Paula Alvim disse...

Obrigada pelas boas vindas. A honra é toda minha ( dá um baita medo participar de um blog tão bom). Excelente este quadro "Postagem...": ótima a sua escolha do poema do Pimenta, ótimas as notas explicativas... Abraços.

Hercília Fernandes disse...

Maria Paula,

contente que você tenha apreciado o post. A poesia do Henrique é simplesmente fantástica, o Bardo saber ser grandioso!

Obrigada pela leitura e palavras motivadoras.

Beijos :)
H.F.