A mulher e o Visionário



Metade Pássaro

A mulher do fim do mundo
Dá de comer às roseiras,
Dá de beber às estatuas,
Dá de sonhar aos poetas.

A mulher do fim do mundo
Chama a luz com um assobio,
Faz a virgem virar pedra,
Cura a tempestade,
Desvia o curso dos sonhos,
Escreve cartas ao rio,
Me puxa do sono eterno
Para os seus braços que cantam.


(Murilo Mendes. In: O Visionário, 1941).





A Mulher Verde

Quando a mulher verde
surgiu,
no meio do fogo que crepitava,
parecia-se mais com
a morte.

Seu uivo agudo, escuro,
escarlate,
fez lembrar manada de búfalos
quando foge.

O som do desespero:
a espera eterna
do eterno passageiro.

A mulher verde no
meio da
lareira,
fez lembrar
o afluente
do Rio Negro,
a trilha por onde
segue a madeira,
derrubada impropriamente,
rumo ao despenhadeiro.

A mulher verde,
em seu uivo e
em seu cheiro de
enxofre,
fez lembrar do verbo
quando sofre o sonho
ausente:

íris sem
olhos,
tronco sem
membros,
boca sem
dentes,
dorso membranoso como
o de um
lagarto;
timbre e dicção
de dar nos
nervos.




(Marcelo Novaes)




6 comentários:

Marcelo Novaes disse...

Oi, Maria Clara!

Beleza!

Muito obrigado!

Não falei que você sabia diagramar melhor do que eu?!Ainda não tenho esse domínio tecnológico...

Ficou muito bom!

Beijos,

Marcelo.

Mirse disse...

Encantador os dois paralelos . Metade Passaro e Mulher Verde se fundem e formam um uníssono em diferntes tempos.
Parabéns Maria Clara, pela apresentação e beleza dos elementos.
Abraços
Mirze

Anônimo disse...

Qdo o Marcelo postou Metade Pássaro,comentei com ele que era o estilo que eu gostava. Confesso que ao ler Mulher de Verde no Blog dele, vi totalmente diferente. Realmente, o Marcelo tem razão...a forma de diagramar, muda em tudo nossa forma de assimilação. Até gostei da Mulher de Verde Marcelo!
Consegui vê-la de outra maneir5a, pelo outro lado!

Bjux..... no Marcelo e na Maria Clara

Clair

HERCÍLIA FERNANDES disse...

Oi, Maria Clara.

Adorável a sua postagem!

Esse encontro entre Murilo Mendes e Marcelo Novaes fora bastante oportuno. Tanto pelas temáticas desenvolvidas nos poemas, como também pela bela apresentação visual.

As imagens e a disposição dos textos deram unidade ao artigo. Além disso, você promovera a união entre os autores por meio da feliz escolha do título.

Realmente!... o que se vê aqui é a mulher sendo, poeticamente, contemplada pela ótica visionária do artista. Muito belo! Agradecida pela oportunidade de leitura!

Grata também por suas visitas e comentários sempre tão generosos em meus blogs.

Abraços,
HF.

Maria Clara disse...

Boa noite amigos.

Para mim foi um prazer realizar essa postagem, fazendo uma ponte entre o poema de Murilo Mendes e A mulher Verde de Marcelo Novaes.

Sou grata ao Marcelo por essas sugestões de leitura que possibilitaram a construção do post.

Agradeço ainda a presença de Mirze e da Hercília (HF). Sejam sempre bem vindas a esse espaço de simplesmente poesia!

Abraços,
Maria Clara.

Maria Clara disse...

Ah... Clair também agradeço o seu belo comentário! Sinta-se sempre em casa.

Beijos,
Maria Clara.