Coração



Que fazer com o pingente,
quando a corrente
perde um elo?


Renata de Aragão Lopes

16 comentários:

Lara Amaral disse...

Gosto de te ler e reler, Renatinha.

Guarde até achar outra corrente.

Beijo!

Mirze Souza disse...

Renata!

Profundo e reflexivo. Depende da corrente. O elo é que importa!

Belo, amiga!

Beijos

Mirze

Wania disse...

Renata

Perder o pingente seria bem pior...
mas a dor em ver o conjunto desfeito é quase a mesma!

Bjs

Albuq disse...

Oi Renatinha!

Li, reli, senti... como é defícil quando o todo se quebra, quando a parte não sabe mais onde se encaixar.
Muito forte!

Adorei,bjs

G. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
G. disse...

Olá, Renata... Acredito que seja meu primeiro comentário sobre um texto seu... Gostei muitíssimo... Simples, terno, e algo com que a ampla maioria de nós, consegue se identificar de imediato. A gravura escolhida também colaborou muito. Grande abraço, excelente final de semana...

Fabio Rocha disse...

Ah, que luta infinda é amar, não?

Adriana Karnal disse...

reli, acho tão profundo esse pequeno.Grande de alma.

Juan Moravagine Carneiro disse...

A simplicidade em seus versos adentram em uma complexidade que nos alimenta de forma bela e intensa...

abraço

Ivan Bueno disse...

Renata,

Se o pingente é belo,
o olhar entre você e ele
faz o elo.

Beijo grande, belo poema.

Ivan Bueno
blog: Empirismo Vernacular
www.eng-ivanbueno.blogspot.com

Adriana Godoy disse...

Bonito...

Adriana Karnal disse...

Mirze,
sim, és camaleoa, ainda não vi tuas 100 faces, a tua de poeta adoro! Lindinho, amiga!

Hercília Fernandes disse...

Renata,

quando um elo se rompe
difícil é a reconstrução
embora nada se apresente
impossível ao coração.

Belo miúdo, minha cara. Amei!

Beijos,
H.F.

Renata de Aragão Lopes disse...

Larinha, muito obrigada por me acompanhar! : )

Sim, Mirze: "o elo é que' MAIS 'importa."

Mas concordo também com a Wania... O estrago existiu. É fato. E "a dor em ver o conjunto desfeito é quase a mesma".

Bem como disse Albuq: muito complicado "quando o todo se quebra"...

Geraldo Lima, muito grata por esta primeira leitura! Convido você a conhecer a minha confeitaria poética: docedelira.blogspot.com.

Fábio Rocha, que luta infinda mais deliciosa! : )

Dri Karnal, guardarei seu elogio com imenso carinho!

Juan Carneiro, é o que mais aprecio em uma produção literária: a simplicidade com conteúdo. Obrigada!

Ivan Bueno, que lindo foi o seu acréscimo: "se o pingente é belo, o olhar entre você e ele faz o elo". Neste caso, o olhar o refaz... Perfeito!

Dri Godoy, que bom que gostou do poemeto!

Ou "miúdo", como registrou Hercília, sempre tão meiga!

Um grande abraço a todos vocês!

nas entrelínguas disse...

Todas Marias Claras, todas lindas... como não descobri isso aqui antes?!Confraria de bruxas-fadas-mulheres!!!

Renata de Aragão Lopes disse...

Juliano,

agradeço o elogio
por mim e pelas demais Marias!

Volte sempre!

Um beijo,
doce de lira